Conexão do Bem faz campanha de crowdfunding para seguir levando alegria a hospitais do Rio

Bancar projetos sociais com o dinheiro do próprio bolso a longo prazo não é tarefa fácil. Por isso, o coletivo Conexão do Bem está com uma campanha bem bacana no site www.recorrente.benfentoria.com

O grupo, que realiza intervençõeses artísticas em hospitais do Rio sem fins lucrativos, precisa de financiamento. No caso de um coletivo como o Conexão do Bem, por exemplo, é preciso pagar alimentação dos artistas, transporte, figurino, instrumentos musicais, e uma infinidade de coisas. Durante quatro anos, eles bancaram tudo sozinhos. Tiveram uma ajuda de custo de colaboradores e conseguiram ir levando. Agora já contam com algumas empresas patrocinadoras. Mas sempre é preciso buscar formas de aumentar o financiamento para não só se manter, mas aumentar a esfera de ação.

Para isso, muita gente hoje em dia usa o esquema do crowdfunding, uma espécie de “vaquinha” para arrecadar fundos para projetos, ou seja,  financiamento coletivo. É isso que o Conexão do Bem está fazendo através do site www.recorrente.benfeitoria.com

foto: Facebook Conexão do Bem

A meta da campanha deles é conseguir um ingresso mensal de 6.000 reais para pagar os custos do trabalho de cerca de 10 artistas envolvidos nessa missão do bem. Até agora eles conseguiram cerca de 1.600. E estamos na torcida para que eles consigam o que precisam para continuar fazendo a diferença na vida dessas pessoas.

Uma campanha de crowdfunding geralmente funciona através de uma plataforma de internet, que pode ser a Recorrente – que trabalha com projetos de financiamento contínuo, onde o colaborador paga um montante mensal – ou outros sites tipo Kikante, em que a colaboração pode ser única.

O grupo que precisa de uma força financeira expõe suas necessidades no site, coloca o montante necessário e pede ajuda. Quem se interessa e pode dar a sua contribuição vai lá e clica em CONTRIBUIR, o que pode ser feito através do login do Facebook para facilitar a vida. No caso da campanha deles, a contribuição mensal sugerida é de 20,00 a 100,00 reais, a serem pagos via cartão de crédito, mas você também pode informar outro valor desejado.

Foto: Ilan Vale

OUTRAS FORMAS DE AJUDAR GRUPOS BACANAS COMO ESSE:

Depósito único: Tem gente que não quer (ou não pode mesmo) contribuir todos os meses. Aí existe a possibilidade de uma única doação na conta bancária do grupo.

ISS: quem paga ISS (imposto sobre serviço) do Rio pode destinar até 20% desse imposto para realizar ações como as da Conexão do Bem. Para fazer isso, a empresa precisa se inscrever no programa de Contribuintes Incentivadores do site da Secretaria Municipal de Cultura. (http://www.rio.rj.gov.br/web/smc)

ICMS: Existe uma lei estadual de incentivo à cultura que permite que empresas contribuintes patrocinem projetos culturais usando incentivos fiscais concedidos pelo Estado do Rio. A empresa deve se inscrever através do site http://www.secult.rj.gov.br/patrocinadores/patrocinador/index.htm

LEI ROUANET: Essa lei possibilita que empresas e pessoas físicas apliquem parte do Imposto de Renda devido em ações culturais (até 4% no caso de Pessoa Jurídica; 6% Pessoa Física).

DivulgaçãoVale lembrar que quem não pode contribuir financeiramente, pode ajudar divulgando o trabalho de gente que faz a diferença, seja nas redes sociais, num bate papo com amigos, ou mesmo dentro de casa.

A ajuda de cada um de nós é super importante para viabilizar projetos que mudam tudo!