Curso de felicidade é o mais popular da história de Yale

Um curso para ensinar o que é felicidade – e como alcançá-la – se tornou o mais popular da história da Universidade de Yale, uma das melhores dos Estados Unidos, na qual já se formaram 5 presidentes americanos. Nos primeiros dias do ano, a disciplina, chamada Psicologia e Boa Vida, recebeu quase 1.200 inscrições – o maior número de inscritos em uma matéria em toda a história da universidade, fundada em 1701.

O curso de felicidade está sendo oferecido pela primeira vez e é de responsabilidade da americana Laurie Santos, professora de psicologia de 42 anos. Nas aulas, ela ensina aos alunos, com tarefas e lições práticas, como ter uma vida mais feliz e menos estressante,  utilizando descobertas da Psicologia Positiva. Santos esperava que seu curso atraísse cerca de 100 alunos (o nome da professora vem de Cabo Verde, país na costa ocidental da África, que teve colonização portuguesa).

Com o sucesso da disciplina, que virou notícia em todo mundo, a professora desenvolveu um curso on-line gratuito, onde vai apresentar parte do conteúdo das aulas de Yale. O curso será oferecido pelo site Coursera.

Laurie Santos, professora de psicologia de Yale, é responsável pelo curso de felicidade

Em entrevista ao jornal The New York Times, Laurie Santos diz que vê nesse movimento um interesse importante de conquistar a felicidade individual e coletiva. Para ela, se todos esses estudantes se dedicarem às aulas, eles podem mudar a cultura da universidade, criando um ambiente de maior conexão social, gratidão, reforço de bons hábitos e menos procrastinação.

“Eu acho que os alunos estão percebendo que Yale não é tão feliz quanto poderia ser, e eles querem mudar isso”, declarou a professora ao jornal Yale Daily News. Com as aulas, ela quer dar chance para as pessoas falarem sobre saúde mental e níveis de estresse no campus da universidade. “Eu odeio ver meus alunos desperdiçarem seus anos de faculdade sofrendo com tanta ansiedade”, diz.

Para atender a todos os alunos, Santos, que leciona em Yale desde 2003, teve que buscar a ajuda de 24 professores assistentes em diversos departamentos. As primeiras aulas foram ministradas na maior capela de Yale, que tem capacidade para cerca de 840 pessoas, com os demais alunos assistindo por telões instalados em outros auditórios, com transmissão em vídeo ao vivo. Depois das primeiras semanas, o curso foi transferido para um auditório normalmente reservado para grandes eventos da universidade.

Além de teorias da psicologia positiva, o curso de felicidade abordará mudanças comportamentais e o principal trabalho para avaliação dos alunos será um projeto de aperfeiçoamento pessoal.

Segundo a professora, ser feliz não é uma coisa que simplesmente acontece, mas sim algo que precisa ser praticado. Para isso, é preciso reprogramar hábitos, realizar tarefas rotineiras e colocar esforço na busca de uma vida mais satisfatória.

O interesse pelo assunto no ambiente acadêmico não é novo. Em 2006, o curso de Psicologia Positiva na Universidade de Harvard já tinha atraído 900 alunos.

Leia mais:

Hygge: entenda o conceito nórdico de felicidade e bem estar