Maquiagem natural terá metade do mercado até 2026

O mercado de produtos cosméticos está passando por uma grande transformação. Rumo a uma produção mais consciente, livre de química e sem crueldade com animais, a indústria de cosméticos está adotando crescentemente matérias primas de origem natural. Uma pesquisa divulgada pelo instituto norte-americano Future Marketing Insights aponta que, nos próximos oito anos, a maquiagem natural (orgânica e vegana) deverá ocupar metade das vendas do setor em todo o mundo.

Segundo o instituto, o mercado de maquiagem está crescendo como um todo e irá movimentar 80 bilhões de dólares em 2026. Isso se deve a um aumento do poder de compra da população mundial, aumento da independência econômica das mulheres e a uma procura cada vez maior por produtos de qualidade.

Atualmente, as maquiagens e colorações de cabelos eco-friendly já dominam 44% do mercado de beleza mundial, e chegarão a 50% nos próximos oito anos, mostra a pesquisa. O estudo foi divulgado no final de 2017.

Mulheres mais independentes e conscientes fazem crescer as vendas de maquiagem natural no mundo.
Mulheres mais independentes e conscientes fazem crescer as vendas de maquiagem natural no mundo. Foto Pixabay

Nesse universo, o estudo afirma que o crescimento da venda de cosméticos naturais e orgânicos vem acontecendo por pressão dos consumidores, mais conscientes e interessados na origem daquilo que compram e preocupados com as consequências do uso de produtos sintéticos na pele, a longo prazo.

Tendo em vista esse mercado em expansão, grandes nomes da indústria da beleza e da moda estão adaptando seu portfólio de produtos e novas marcas mais verdes vão surgindo.

Cosméticos naturais são aqueles produzidos a partir de matérias-primas naturais e que não incluem substâncias químicas em sua composição. Para ser considerado um produto orgânico, 95% de seus ingredientes devem ter origem comprovadamente orgânica. Já os produtos de beleza veganos não trazem em sua fórmula nenhum produto de origem animal e também não realizam testes em seres vivos.

Leia mais:

Brasileiros ganham prêmio por pesquisas contra testes em animais