Os profissionais maduros e o mercado de trabalho

O mercado de trabalho brasileiro está começando a mudar, e os profissionais maduros estão sendo valorizados. Diante do envelhecimento da população, algumas empresas estão dando início a um movimento de valorização do trabalho de profissionais maduros e abrindo vagas exclusivas para eles.

Segundo uma pesquisa do instituto Datafolha, a fatia de brasileiros com 60 anos ou mais empregados ou em busca de emprego cresceu de 20% em 2007 para 26% em 2017. Nesse mesmo período, dentro do mercado formal, o número de profissionais de 50 a 64 anos passou de 10,5% para 16,5%.

De olho nesses trabalhadores, algumas empresas passaram a buscar o perfil maduro para preencher vagas específicas. Entre as marcas que recentemente contrataram grande número de pessoas acima de 50 anos estão nomes como a transportadora aérea Gol, a consultoria PwC (Price Waterhouse Coopers), a seguradora Tokio Marine, o grupo DPSP (que controla as drogarias Pacheco e São Paulo) e a prestadora de serviços Telehelp.

profissionais maduros em reunião de trabalho
Empresas busca experiência e comprometimento de profissionais maduros. Foto katemangostar / Freepik

A Totvs, empresa brasileira desenvolvedora de software, também apostou nessa mudança. Em 2017 criou o programa Geração Sênior, que busca no mercado de trabalho bons profissionais maduros, exaltando qualidades como experiência, resiliência e estabilidade emocional. A empresa acredita que profissionais seniores estão mais habilitados para lidar com situações de stress e apresentam maior desenvoltura em eventuais cenários de crise.

Para especialistas, a contratação de profissionais maduros é um movimento sem volta e que agrega à empresa uma série de valores. De acordo com a pesquisa do Datafolha, profissionais mais velhos são vistos como mais responsáveis, honestos, atenciosos, dedicados, além de mais éticos e preparados em comparação a trabalhadores de outras faixas etárias.

Segundo dados de IBGE, o número de idosos no Brasil vai triplicar nos próximos 40 anos e chegará a 66,5 milhões de pessoas em 2050, representando 29,3% da população.

Leia também:

A Revolução da longevidade