Olinda leva cães a crianças deficientes

“Bolinha de Pelo” é o nome do projeto implementado em escolas da rede municipal de Olinda, Pernambuco, que une crianças deficientes e cães adestrados. A iniciativa do projeto foi criada em 2016, em um colégio da cidade, e acaba de ser ampliada para outras unidades da rede municipal de ensino. Com a inclusão de mais cães voluntários, o Bolinha de Pelo alcançará um número maior de crianças deficientes beneficiadas pelo projeto.

Cães do projeto Bolinha de Pelo, de Olinda.
Cães do projeto Bolinha de Pelo, de Olinda. Foto Divulgação

Atualmente, são seis os cães que participam do projeto, todos eles da raça golden retriever. Os animais são especialmente treinados para interagir com diferentes pessoas e para aceitar comandos. Os cachorros se relacionam com as crianças deficientes e participam com elas de atividades lúdicas para que passem a trabalhar aspectos como a coordenação, a concentração, a fala, o equilíbrio e a expressão de sentimentos.

O projeto vai alcançar cerca de 90 crianças com deficiência, que serão atendidas individualmente ou em grupos, em seções de aproximadamente 50 minutos. Cada escola municipal contará com um professor de educação especial e um mesmo cão voluntário, de forma a criar uma maior conexão entre os animais e os alunos atendidos, e as aulas devem acontecer a cada 15 dias. O intervalo é importante para não estressar os animais.

Cão do projeto Bolinha de Pelo interage com crianças deficientes.
Cão do projeto Bolinha de Pelo interage com crianças deficientes. Foto Divulgação

Os cães fazem parte do projeto Cães Doutores, que adestra os animais e capacita seus tutores para participarem do tratamento de pacientes nas unidades públicas de saúde de Pernambuco.

O Bolinha de Pelo foi idealizado pela professora e psicopedagoga Cássia Leôncio. Tutora de um dos animais do projeto, Cássia teve a ideia de levar os cães até as crianças após passar por um problema de saúde. Durante o período de recuperação, ela percebeu a importância da proximidade e interação com seu cão de estimação para sua reabilitação.

Leia também:

Dia Internacional da Síndrome de Down