Projeto em Lisboa coloca avós no hype da moda

Quem diria que os bordados das avós poderiam chegar à vanguarda do mundo da moda? Apostando nisso, a designer Susana António e o psicólogo Ângelo Campota criaram o projeto A Avó Veio Trabalhar e reúnem, em Lisboa, mulheres acima dos 65 anos com foco na produção de objetos de design.

Tocados com a questão da ocupação do tempo na terceira idade, a dupla de empreendedores portugueses inaugurou, em setembro de 2014, o projeto de reintegração de senhoras do Cais do Sodré a uma vida produtiva.

Vitrine da loja-ateliê do projeto A Avó Veio Trabalhar, em Lisboa.
Vitrine da loja-ateliê do projeto A Avó Veio Trabalhar, em Lisboa. Foto de divulgação/Pedro Sadio

Susana e Ângelo desafiam as idosas com pedidos criativos, como desenvolver luvas em tons fluorescentes e bordados extravagantes, por exemplo, com desenhos de caveiras mexicanas.

Em pouco tempo a vitrine da loja-ateliê A Avó Veio Trabalhar começou a chamar a atenção, atraindo não apenas clientes, mas novas avós que vieram trabalhar… O empreendimento cresceu e resultou em três sedes com uma média de 70 idosas envolvidas, com idades que vão de 57 até 90 anos.

Uma das avós posa para campanha de do projeto A Avó Veio Trabalhar. Foto de divulgação/Pedro Sadio

Enquanto trabalham, as avós conversam e riem, ao mesmo tempo em que o hype do projeto ganha a nova geração de Lisboa e ecoa pelo mundo da moda. As avós já participaram da Bienal Ibero-americana de Design, em Madri, e de eventos em cidades como Budapeste, Amsterdã e São Paulo.

Cada peça produzida traz uma etiqueta com uma foto e a história da avó envolvida naquela produção. E cada coleção possui uma avó embaixadora, cujo rosto é emprestado para as campanhas da marca.

Apesar de contar majoritariamente com senhoras, que tradicionalmente são responsáveis pelo bordado em Portugal, A Avó Veio Trabalhar tem um membro do sexo masculino, que faz tapetes. E já existe um plano de criar segmentos de marcenaria e atividades mais comuns aos senhores.

Enquanto trabalham, as vovós conversam e dão muita risada. Foto de divulgação/Pedro Sadio