Mulheres enfrentam o preconceito e assumem cabelos brancos

Mulheres começam a tingir os cabelos muito cedo. Muitas dão início a esse ritual ainda na adolescência ou no começo da vida adulta, para mudar sua cor natural e brincar com as possibilidades. Mas o que começa como diversão e opção estética, com o passar dos anos acaba se tornando uma obrigação, porque, segundo os padrões de beleza atuais, mulheres não podem ter cabelos brancos e manter esses fios aparentes é sinal de desleixo.

Mas o que muitas mulheres chamam de “ditadura do cabelo pintado” está começando a mudar. Cansadas da pressão social para cobrir a todo custo cada fio de cabelo branco, cada vez mais mulheres de diferentes gerações estão passando a assumir e a valorizar seus tons grisalhos. Com 30 ou 80 anos, elas abandonam as tinturas e enfrentam a resistência de amigos e até de companheiros para deixar suas madeixas ao natural.

Cantora Rita Lee exibe seu cabelo prateado. Foto divulgação

A ideia ganhou força quando, em 2006, a atriz Meryl Streep apareceu com cabelos totalmente brancos no filme “O Diabo Veste Prada”. De lá para cá, outras famosas passaram a exibir seus fios prateados e levar a mudança adiante. No Brasil, Rita Lee, Vera Holtz e Costanza Pascolato são exemplos de ícones femininos que deixaram a tintura de lado.

Para realizar essa transformação, promover a aceitação e incentivar outras a seguir esse caminho se desejarem, mulheres anônimas usam as redes sociais, produzem textos e vídeos compartilhando sua experiência.

Elisa Colepicolo criou blog sobre o processo de assumir os cabelos brancos. Foto reprodução

Elisa Colepicolo, de 34 anos, lançou o blog Projeto Gris em 2014 para registrar o passo a passo do processo de deixar a coloração no passado. Já a advogada Kika Ribeiro criou um canal no Youtube onde posta vídeos mostrando sua mudança.

A internet também ajuda a compartilhar informações sobre como manter o grisalho bem cuidado, com produtos específicos que já existem no mercado ou receitas naturais de hidratação.  A comunidade do Facebook Tenho Cabelos Brancos, e daí? reúne mais de 5.800 mulheres, que trocam mensagens, fotos e apoio.

Ícone da moda Costanza Pascolato com seus fios ao natural. Foto divulgação

Em um mundo cada vez mais preocupado com a diversidade e a aceitação das diferenças, este é mais um avanço. Para as mulheres que fazem essa transição, ela traz uma sensação de liberdade, seja do tempo dedicado à tintura e à manutenção da cor ou do medo de parecer velha, e o orgulho de fazer parte de uma mudança: a de que, a partir de agora, a tintura volte a ser uma opção e não uma obrigação.

Leia também em Muda Tudo

Mulheres buscam alternativas ecológicas a absorventes descartáveis