O café expresso ainda mais gostoso

 

Desde 2006, quando George Clooney surgiu mais sedutor do que nunca como o garoto propaganda da Nespresso, o consumo do café em cápsula disparou no mundo inteiro. Prova de que é mesmo difícil resistir a qualquer convite do ator americano. Mas até o sabor do expresso envolto por todo o charme de Clooney se torna amargo quando falamos de meio-ambiente.  Como as embalagens são feitas de plástico e alumínio, é muito difícil reciclá-las o que as tornam um enorme problema.  O crescente consumo do produto, em torno de 9% ao ano, só faz aumentar a preocupação com o impacto do descarte desses resíduos no planeta.  Pensando nisso, a empresa canadense Club Coffe criou cápsulas biodegradáveis.  As PurPod 100 são feitas de cascas de grãos de café que formam um bioplástico e que pode ser, inclusive, utilizado como adubo.

A recomendação é para se descartar as cápsulas junto com o lixo orgânico ou na compostagem. As PurPod 100 demoram pouco mais de 80 dias,  menos de 3 meses, para desaparecerem completamente do solo. Por enquanto, as cápsulas biodegradáveis só podem ser encontradas no Canadá ou nos  Estados Unidos.

Em resposta à discussão em torno do uso das cápsulas, a Nespresso do garoto propaganda George Clooney lançou um programa chamado Ecolaboration para minimizar o impacto ambiental do descarte das suas embalagens. Nele, a empresa se propõe a trabalhar para desenvolver um alumínio mais sustentável ao mesmo tempo que incentiva os seus consumidores a reciclarem as cápsulas usadas.

Outras mais:

  1. Hamburgo, a segunda maior cidade da Alemanha,  proibiu o uso de café em cápsula nas repartições públicas. A medida faz parte de politica para combater a geração de resíduos poluentes. A prefeitura criou um guia “verde” (Guide to Green Procurament) proibindo o uso de dinheiro público para a compra de produtos poluentes como talheres e pratos de plástico, produtos de limpeza à base de cloro e até as cápsulas de café.
  2. Uma campanha contra o uso do café em cápsula, a Kill the K-Cup, alerta para o alto consumo do produto que em 2014 chegou a um número de embalagens que daria para dar 1o voltas e meia em torno do planeta.  O vídeo abaixo mostra um monstro feito de cápsulas de café atacando a população. À parte do exagero das cenas, vale a mensagem. Afinal, o que produzimos de lixo, em algum momento,  se voltará contra nós.