Países proíbem produtos de beleza com microesferas de plásticos

Produtos de beleza que utilizam microesferas de plásticos em sua fórmula estarão proibidos nos Estados Unidos e em todo o Reino Unido até o fim de 2017. Segundo estudos recentes, os pequenos pedaços de plástico, presentes em produtos como esfoliantes, pastas de dente, sabonetes e maquiagem, estão intoxicando animais marinhos.

Esses pequenos pedaços de plástico, menores que a cabeça de um alfinete, após o enxágüe vão parar nos oceanos, já que o tratamento de esgoto não é capaz de filtrá-los nem de alterar seu tamanho. Na natureza, eles são ingeridos por peixes e outras espécies de animais e, além de prejudicar o ecossistema marinho, as microesferas acabam voltando aos seres humanos pelo consumo desses animais.

A proibição nos Estados Unidos foi aprovada pelo presidente Barack Obama no início deste ano e deve ser totalmente aplicada até julho de 2017. No Reino Unido, o prazo deve se estender até dezembro do mesmo ano.

Segundo o jornal britânico Guardian, cada produto esfoliante pode conter centenas de milhares de microesferas de plástico. Algumas empresas, como a Unilever, garantem já ter banido o material de suas linhas.

Algumas empresas já utilizam alternativas naturais à microesfera de plástico. Foto Pixabay

Além de opções naturais que já são usadas pela própria indústria, como sementes de maracujá, farelo de arroz e partículas de bambu, a esfoliação da pele para retirar células mortas – principal uso das esferas de plástico – pode ser feita com preparos caseiros, utilizando grãos finos como açúcar, fubá e aveia.

Para evitar adquirir produtos com microesferas de plástico, é preciso fica atento à composição impressa nas embalagens. A partícula aparece com os nomes polietileno, polipropileno, polietileno tereflalato, polimetilmetacrilato e náilon.