Bonecos de pano pela inclusão

A artesã brasileira Cristiane Mendonça quer promover a inclusão social de forma lúdica e para isso, criou uma linha muito legal de bonecos de pano. Utilizando seu talento para trabalhos manuais, ela lançou, no Rio de Janeiro, a linha “Amigos da Inclusão”, composta por brinquedos que representam nossas diferenças físicas e levam às crianças a representatividade e o respeito.

Os bonecos e bonecas da linha especial da marca Bottega das Artes representam crianças com diversos tipos de deficiências físicas e de diferentes etnias. São bonecos negros, indígenas e albinos, cadeirantes, com deficiência visual, amputados e com vitiligo.

Cristiane Mendonça com seus bonecos da linha Amigos da Inclusão. Foto Divulgação
Cristiane Mendonça com seus bonecos da linha Amigos da Inclusão. Foto Divulgação

Todas as peças são feitas artesanalmente e cada uma leva cerca de um dia e meio para ser produzida. Por mês, Cristina cria aproximadamente 40 bonecos, alguns deles personalizados feitos sob medida para presentear algumas crianças.

O trabalho de Cristiane com os “Amigos da Inclusão” começou a pedido de uma amiga que queria dar ao filho, portador de Síndrome de Down, um boneco que ele reconhecesse como seu igual. A segunda encomenda foi de uma boneca cadeirante.

Boneca de pano da linha Amigos da Inclusão. Foto Divulgação
Boneca de pano da linha Amigos da Inclusão. Foto Divulgação

Para a artesã, esses brinquedos contribuem para a autoestima e o empoderamento das crianças que possuem deficiências e ajudam as demais a ter contato com as diferenças e a aprender a respeitar. Ao produzir as peças, ela espera também inspirar o diálogo entre pais e filhos sobre o diferente.

A linha “Amigos da Inclusão” é parte da marca Bottega das Artes (que tem website e página no Facebook) e os bonecos estão à venda pelo site, em feiras de artesanato no Rio de Janeiro e em três pontos de venda fixos na cidade: no Shopping da Gávea, no Jardim Botânico e no Museu do Amanhã. Os preços variam, em média, entre R$140,00 e 240,00.

Leia também:

Escola de São Paulo aposta em projetos de inclusão de minorias