Imigrante cria clínica dentária gratuita em São Paulo

O desejo de retribuir ao país as oportunidades que recebeu aqui foi o que motivou o imigrante libanês Vivian de Picciotto a abrir, no centro de São Paulo, uma clínica dentária gratuita que atende crianças e adolescentes carentes da cidade.

Vivian Picciotto Foto: Facebook
Vivian Picciotto Foto: Facebook

Aberta em 2014, a Associação Fortunée De Picciotto começou cuidando de pouco mais de 100 pacientes e deve alcançar este ano o número de 15 mil atendimentos. Toda a estrutura, o material e o salário dos funcionários é pago pelo próprio empresário e por empresas parceiras.

Criança sendo atendida na clínica dentária gratuita Fortunée De Picciotto. Foto Divulgação
Criança sendo atendida na clínica dentária gratuita Fortunée De Picciotto. Foto Divulgação

Vivian chegou ao país em 1960, quando tinha 14 anos de idade. A viagem de Beirute para o Brasil foi feita no porão de um navio com a mãe e um irmão e uma pequena economia trazida da terra natal.

Depois de alguns anos na capital paulista, os irmãos abriram confecções e lojas nos bairros do Brás e do Bom Retiro, áreas que concentram grande quantidade de comércio popular. Ao longo das décadas, os negócios prosperaram e, ao chegar à idade de se aposentar, Vivian tinha acumulado um patrimônio considerável.

Foi então, na aposentadoria, que ele decidiu abrir a clínica. A escolha surgiu das lembranças da própria infância, quando ele morria de medo do dentista e sua família tinha poucos recursos para esses cuidados. O nome foi dado em homenagem à sua mãe. Para receber da forma mais lúdica possível o público infantil, a clínica é decorada com desenhos e paredes coloridas.

Na clínica, são atendidas crianças a partir de 2 anos e adolescentes até 16 anos. Eles chegam ao local encaminhados por entidades conveniadas, passam por uma avaliação e recebem o tratamento completo necessário. Durante os atendimentos, os pacientes também aprendem a cuidar dos dentes e evitar novas idas ao dentista.  Para atrair a atenção dos pequenos pacientes, as aulas são realizadas com marionetes, e com direito a um gostoso lanche no final.

Leia também:

Nômade digital ensina crianças a meditar