Livro destaca mudanças positivas no Brasil em 20 anos

Chegou às livrarias uma obra que melhorará a nossa percepção sobre o Brasil. O livro “O Brasil mudou mais do que você pensa: um novo olhar sobre as transformações nas classes CDE” (FGV Editora) reúne dados e informações que mostram a evolução recente do país, especialmente entre a população mais pobre.

Organizado por Lauro Gonzalez, Maurício de Almeida Prado e Mariel Deak, a obra reúne o trabalhos de pesquisas e análises do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira (GVcemif) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e do Instituto Plano CDE, com foco nos anos entre 1995 e 2015.

Livro "O Brasil mudou mais do que você pensa".
Livro “O Brasil mudou mais do que você pensa”.

Com esse trabalho, os organizadores procuram mostrar que nas últimas décadas o Brasil conheceu avanços importantes e atravessou transformações sociais e econômicas que tiveram efeito de longo prazo entre as classes C, D e E. Em 2015, essas classes representavam 59% da população do Brasil.

Uma das principais fontes dos pesquisadores são os dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Também foram realizadas pesquisas presenciais com a população de baixa renda.

Fazem parte da análise os temas educação, habitação, posse de bens, inclusão financeira e digitalização. Com essas categorias em foco, os pesquisadores buscaram informações sobre o que mudou na vida das pessoas, por que mudou e quais os principais desafios para o futuro.

O acesso das classes CDE a educação foi uma das principais evoluções do país. Foto PIxabay
O acesso das classes CDE a educação foi uma das principais evoluções do país. Foto PIxabay

Segundo o livro, a principal mudança aconteceu na educação, com melhoria no acesso e aumento nos níveis de conclusão, como resultado de políticas públicas. Nessa área, o desafio ainda é aumentar a qualidade da educação oferecida. Esta e outras melhorias na vida das classes mais baixas, como inclusão bancária e acesso a bens de consumo, acabam refletidas em um aumento de bem-estar e de oportunidades.

O objetivo dos organizadores com esse trabalho foi mostrar que, apesar das dificuldades, o país avançou. Segundo eles, é preciso combater uma percepção equivocada de que estamos estagnados.

Para Maurício, essa visão pode ser prejudicial por abrir espaço para discursos populistas de que a vida era melhor no passado. “Quando se acha que nada melhora, abre-se espaço para a busca de soluções radicais”, afirma o pesquisador em entrevista ao site Nexo.

O livro “O Brasil mudou mais do que você pensa: um novo olhar sobre as transformações nas classes CDE” já está à venda nas livrarias.

Leia também:

Professor brasileiro pode ganhar Nobel da educação