Nathan Amaral, violinista, é 1º colocado em curso na Áustria

O impossível não existe quando se une oportunidade e desejo. Nathan Amaral, do Rio de Janeiro, foi o primeiro colocado de sua turma na seleção para estudar na Universidade Mozarteum, em Salzburg, na Áustria. O jovem, que teve o primeiro contato com o instrumento em um projeto social na comunidade, foi selecionado aos 21 anos para estudar com a renomada violinista Esther Hoppe.

Nathan Amaral foi selecionado para estudar violino na Áustria.
Nathan Amaral foi selecionado para estudar violino na Áustria. Foto Divulgação

Nathan nasceu no Rio de Janeiro e foi criado pela mãe no Morro da Mangueira. Aos 11 anos, foi convidado a participar de aulas de violino no Projeto Centro Cultural Cartola e, apesar de ter relutado por achar que se tratava de um instrumento muito distante da sua realidade, acabou frequentando o curso por insistência da mãe.

Sob supervisão do Centro Cultural, o jovem se aprimorou no violino durante toda a adolescência, incluindo aulas particulares financiadas pelo projeto. Depois de alguns anos de prática, ele foi convidado para assumir uma vaga na Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem e foi aprovado em 1° lugar para bacharelado em violino na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UniRio).

Carioca Nathan Amaral foi selecionado para estudar violino na Áustria.
Carioca Nathan Amaral foi selecionado para estudar violino na Áustria. Foto Divulgação

A trajetória ascendente não parou. Com 17 anos, Nathan Amaral venceu o concurso Eleazar de Carvalho, no Festival de Campos do Jordão, e, como prêmio, ganhou uma vaga da Academia da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP).

A aprovação na Universidade Mozarteum veio quatro anos depois, em 2016. Para pagar a matrícula e a mensalidade do curso em Salzburg e cobrir seus gastos básicos durante os quatro anos de estudo, como alimentação, transporte e moradia, Nathan buscou doações e patrocínios de instituições privadas e criou uma página de financiamento coletivo, pela qual arrecadou mais de R$ 28 mil.

A campanha deu certo. Hoje o jovem aprimora seu talento na Áustria e mostra seu dia a dia em uma página no Instagram.

 

Leia também:

Professor brasileiro pode ganhar Nobel da educação