Projeto “Vamos ser uma árvore” cria cemitérios bosque

Em vez de um cemitério tradicional, um bosque. No lugar de lápides, árvores.  A iniciativa “Seamos un Árbol” (Vamos ser uma árvore), propõe ressignificar a morte e, de quebra, colaborar com o meio ambiente. De que forma? Plantando árvores em homenagem aos mortos. Uma proposta simples e literalmente transformadora.

A iniciativa é de Jorge María Bellsolá Ferrer. Conhecendo um pouco da história desse argentino dá para entender de onde veio a ideia.  Jorge cresceu ouvindo falar de reflorestamento.

Jorge Bellsolá Ferrer: plantando árvores
Jorge Bellsolá Ferrer

“Eu venho de uma empresa familiar que regenera a floresta nativa no norte da Argentina desde 1998.”

E Jorge também cresceu ouvindo falar de serviços fúnebres porque o pai é dono de um cemitério particular.

“Trabalhava no cemitério, mas o que eu mais gostava e gosto de fazer é plantar árvores.  Durante uma cerimônia de enterro, eu tinha acabado de vir de um plantio e pensei, Por que não plantar uma árvore no lugar do falecido? “Vamos ser uma árvore” nasceu como um projeto para unir as duas experiências da minha vida.”

O projeto nasceu em 2012, quando Jorge tinha apenas 23 anos de idade. Interessante pensar porque alguém tão jovem se interessaria por um tema tão distante dele: a morte. Mas o que realmente o inspirou foi a possibilidade de ajudar a diminuir a emissão de gás carbônico no planeta.

 “A ideia surgiu com o trabalho de reflorestamento que eu já fazia. Aprendi sobre coleta de sementes e germinação de todos os tipos de árvores.”

 

Jorge Belsollá Ferrer: plantando árvores

 

Plantar árvores é uma das principais estratégias para combater o aquecimento global. As árvores atuam como um grande filtro de gases do efeito estufa. Elas absorvem o CO2 através da fotossíntese e armazenam esse gás carbônico ou dióxido de carbono nas suas folhas, tronco e raízes, criando uma espécie de estoque de carbono. Existem formas de medir a pegada de carbono de uma pessoa, organização, evento ou produto e calcular o número de árvores que deveriam ser plantadas para compensar essas emissões. Cada um de nós emite, a depender das atividades no dia a dia, uma certa quantidade de carbono.  Sem saber, de forma direta ou indireta, estamos “ajudando” a aumentar o aquecimento global. Mas mesmo antes de criar o projeto do cemitério bosque, Jorge já atuava com essa consciência.

“Sempre que realizava um serviço fúnebre, plantava uma árvore.”

Com sua iniciativa, Jorge já soma 470 árvores plantadas, a mais alta com 3 metros de altura.

“As florestas estão em terras privadas, mas estamos trabalhando para levar a iniciativa para espaços públicos nas cidades. No momento temos dois bosques cemitérios: um projeto florestal na área ocidental da Grande Buenos Aires, onde plantamos espécies ornamentais (não há árvores nativas nesta área) e outra na ecorregião Yungas, na província de Tucumán (Norte de Argentina), onde plantamos Cedrela, uma árvore nativa.”

Jorge Belsollá Ferrer: plantando árvores

O cliente pode optar por enterro ou cremação e ainda escolher o lugar da cerimônia. A árvore em homenagem ao morto é plantada em um dos bosques da família de Jorge.

Vamos ser uma árvore oferece três tipos de serviços funerários: nos cemitérios públicos, cemitérios privados ou a cremação.

“Em todos os casos, fazemos uma cerimônia de plantio, onde a família e os amigos podem plantar uma árvore em homenagem ao falecido. Nos casos de cremação, é oferecida a possibilidade de enterrar as cinzas debaixo da árvore que sera plantada. O solo fértil é sempre adicionado entre as cinzas e a árvore.”

O preço do serviço funerário com o plantio da árvore fica em US$1.300,00 dólares, aproximadamente R$4.400,00 reais e inclui atendimento de urgência, traslado, certificados e atas, cremação, plantio de árvore e a cerimônia de despedida.

“Se você não escolher a cremação e quiser realizar o enterro em um cemitério normal, nós incluímos transferências, mas não as taxas municipais dos cemitérios públicos e nao parcelamos o valor no caso de cemitérios privados.” 

Jorge Belsollá Ferrer: plantando árvores

Após a cerimônia, as árvores são mantidas pelo projeto e no caso de uma delas vir a morrer, Jorge notifica os parentes e juntos plantam uma nova árvore, sem despesa adicional.

O objetivo final é plantar mais árvores fazendo com que mais e mais pessoas conheçam a proposta e possam optar pela cerimônia.

“Na Argentina, por ano morrem, aproximadamente, 300.000 pessoas, isso significariam 300.000 novas àrvores por ano.”

O maior desafio de Jorge, no entanto,  é mudar a forma como as pessoas veem a morte, não como um fim, mas como uma renovação.

“Estamos trabalhando em uma área delicada. Vai demorar muito tempo para mudar o paradigma e as pessoas verem a morte como uma forma de gerar vida. Espero que no futuro as pessoas digam, Me plantem!  Se todo mundo participasse do plantio de uma árvore, cuidasse dela, a visse crescer e evoluir, certamente teria uma relação diferente, muito mais respeitosa com a natureza. Meu sonho é recuperar as florestas de todas as ecorregiões do país e ser capaz de escalar uma árvore que plantei.”

É com esse espírito que Jorge espera  transformar o serviço fúnebre em uma grande cerimônia de plantio, fazendo com que a morte ganhe uma nova forma de vida.

“O ciclo da natureza não é governado pelo tempo do homem. As pessoas precisam entender que o fim de uma vida é o início de um novo ciclo, e que lembrar de um ente querido é se conectar com a natureza.”

Veja também:

Incêndios florestais nos EUA despertam ação colaborativa

espertam ação colaborativa