Projeto recupera tartaruga considerada extinta

O projeto é ousado e merece aplausos. Após ser considerada extinta por 150 anos, uma espécie de
tartaruga gigante do Arquipélago de Galápagos, no Equador, será reproduzida em cativeiro.  Pesquisas
mostraram que alguns animais achados na última década têm parentesco com a tartaruga gigante.

Com 32 tartarugas, sendo 19 descendentes da espécie Chelonoidis nigero, o programa de reprodução deverá permitir que, a médio prazo, a ilha Floreana, localizada no sul do arquipélago, volte a contar com a presença das simpáticas criaturas.

Dizimada por caçadores de baleias, que as usavam como alimento, a espécie Chelonoidis niger, antes
conhecida como Chelonoidis elephantopus, teve muitos de seus exemplares abandonados no mar, próximo à ilha Isabela (a 180 quilômetros da Ilha Floreana).

Exemplo da tartaruga da espécie Chelonoidis nigero em Galápagos. Foto reprodução.

Apesar de não serem encontradas na ilha de origem, as tartarugas foram encontradas na vizinha com carga genética parecida. E agora, reproduzidas em cativeiro, poderão “repovoar a ilha Floreana.  ” Elas não são‘ Chelonidis puras’, mas têm muitas características da espécie original”, afirmou Washington Tapia, diretor da iniciativa para a
Restauração das Tartarugas Gigantes.

Tido como um grande desafio, o trabalho deve devolver a Galápagos uma série de ecossistemas saudáveis, capazes de seguir gerando benefícios.

O Arquipélago de Galápagos, patrimônio Natural da Humanidade desde 1979,  serviu de laboratório ao naturalista inglês Charles Darwin no século 19 para desenvolver a teoria da evolução das espécies.

 

Veja também:

Como evitar o desaparecimento das abelhas com atitudes simples