Felicidade: conexão com os outros, generosidade e gratidão mudam tudo

20 de março: Dia Internacional da Felicidade! E como deixar de falar sobre felicidade no Muda Tudo: Impossível!

O dia foi criado pela ONU, em 2012, com o objetivo de promover a alegria entre os povos, evitando os conflitos e guerras sociais, étnicas ou qualquer outro tipo de comportamento que ponha em risco a paz e o bem-estar das sociedades. A decisão de criar o dia foi uma resposta a um proposta do Butão, país considerado a terra das pessoas mais felizes do mundo, tendo inclusive o índice de “felicidade bruta”, inspirada no indicador produto interno bruto (PIB).

E nesse dia tão bacana, fazemos questão de dar um dica à altura: O filme “Happy”, que tem como tema questões como “o que é felicidade e como alcançá-la”.  O documentário, lançado em 2011, busca respostas ao redor do mundo, entrevistando especialistas e pessoas comuns para decifrar esse sentimento tão desejado e, ao mesmo tempo, tão difícil de medir.

“Happy” foi escrito e dirigido pelo cineasta Roko Belic, dos Estados Unidos. Durante anos, ele viajou pelo mundo conversando com pessoas para tentar compreender o que elas entendiam como felicidade e como suas percepções se conectavam.

Crianças da Índia em cena do documentário "Happy". Foto Divulgação
Crianças da Índia em cena do documentário “Happy”. Foto Divulgação

Nessa busca, temas importantes do mundo atual são analisados do ponto de vista da felicidade, como sucesso profissional, fama, família, saúde e relacionamentos.

Durante a longa viagem, Belic encontra uma família pobre na Índia, famílias de classe média dinamarquesas que decidiram compartilhar a moradia, o surfista brasileiro que vive com poucos bens materiais perto do mar e moradores de Okinawa, no Japão, região que reúne um grande número de cidadãos com mais de 100 anos.

Para entender os depoimentos pessoais dos entrevistados e debater mais a fundo o que é felicidade, o filme leva a questão a especialistas que se dedicam ao sentimento como objeto de estudo e à psicologia positiva. Entre os pesquisadores estão o neurocientista Richard Davidson, que desenvolve trabalhos sobre a relação entre meditação e felicidade, e Ed Diener, psicólogo que há 35 anos estuda o tema e ficou conhecido como “Dr. Felicidade”.

Surfista brasileiro Ronaldo Fadul em cena do filme "Happy" (felicidade). Foto Divulgação
Surfista brasileiro Ronaldo Fadul em cena do filme “Happy”. Foto Divulgação

Com esses depoimentos e os dados científicos apresentados pelos pesquisadores, o diretor consegue traçar alguns pontos que se repetem na vida das pessoas que se consideram felizes: apesar das diferenças individuais, essas pessoas possuem conexões fortes com outros indivíduos, sejam amigos ou familiares, praticam a generosidade e a gratidão, realizam atividades físicas com regularidade e possuem hobbies que as completam.

No Brasil, “Happy” está disponível na plataforma Netflix.

Veja abaixo o trailer de “Happy” em inglês:

Leia também:

Curso de felicidade é o mais popular da história de Yale