Reciclagem química para uma moda sustentável

É cada vez maior a quantidade de tecidos descartados em aterros sanitários no mundo. Como consequência da indústria da moda, o excesso de tecidos contribui para o aumento preocupante da quantidade de lixo produzido no mundo. Atualmente, uma aposta promissora para lidar com esse problema é a reciclagem química de tecidos.

Com o crescimento da fast fashion, formada por peças de baixo custo e feitas para durarem pouco, junto aos retalhos que sobram durante a produção da indústria têxtil, o desperdício de tecidos se tornou um problema que precisa ser enfrentado por fabricantes, designers e consumidores.

Segundo relatório de 2017 da Fundação Ellen MacArthur, que trabalha para incentivar e desenvolver a economia circular, mais da metade da produção de moda fast fashion é jogada no lixo em menos de um ano, e, em todo o mundo, um caminhão de tecidos é queimado ou descartado em aterros a cada segundo.

Linhas produzidas pela Infinited Fiber por técnica de reciclagem química. Foto Divulgação
Linhas produzidas pela Infinited Fiber por técnica de reciclagem química. Foto Divulgação

Com as novas técnicas de reciclagem química, os tecidos são quebrados quimicamente e podem se transformar em novos produtos com a mesma qualidade do material de origem ou até mesmo com qualidade superior, criando uma produção circular de longa duração.

Diferentes processos de reciclagem química vêm sendo desenvolvidos em todo o mundo, buscando saídas para o mesmo problema por caminhos variados e por técnicas revolucionárias.

No processo chamado Blend Re:Wind, criado pelo programa de pesquisa Mistra Future Fashion, um tecido composto de algodão e poliéster pode ter os dois tipos de fibras separadas e, com o algodão, é possível produzir novas peças de viscose de alta qualidade.

Outro nome importante nesse cenário é a Infinited Fiber (fibra infinita, em tradução livre), que utiliza uma tecnologia finlandesa para extrair celulose de diferentes fontes e produzir novos tecidos.

Um desafio dessa reciclagem é encontrar processos industriais de baixo custo e baixo impacto ambiental. Além disso, é importante reforçar a conscientização em todas as camadas e incentivar os consumidores a valorizar produtos reciclados e buscar uma moda mais sustentável. Alguns dos novos processos de reciclagem química ainda não estão disponíveis no mercado, mas estão a caminho para transformar esse cenário.

Leia também:

Plástico recolhido do mar vira camisa