Enfermeira brasileira conta trabalho com crianças na África

A enfermeira brasileira Marina Barardi direcionou sua formação para trabalhar em missões humanitárias e dedica sua carreira a melhorar a vida de pessoas em situações extremas. Nos períodos em que volta ao Brasil, ela aproveita para compartilhar a experiência e o conhecimento adquiridos em países africanos. Seu trabalhou é realizado com a organização Médicos Sem Fronteiras.

A enfermeira Marina Barardi durante missão na Guiné-Bissau. Foto Acervo Pessoal
A enfermeira Marina Barardi durante missão na Guiné-Bissau. Foto Acervo Pessoal

Nascida em Florianópolis e formada na Universidade Federal de Santa Catarina, Marina começou o trabalho humanitário em 2016, em uma missão em Angola, durante uma epidemia de febre amarela. A experiência durou três meses. Em seguida, foi designada para Bissau, capital da Guiné-Bissau – país da África Ocidental. Lá ela coordenou uma equipe de 40 enfermeiros locais nos cuidados com crianças e recém-nascidos durante seis meses.

Apesar de ser um país tranquilo, que passava sensação de segurança, Marina Barardi lembra que cuidava de crianças em condições muito precárias de saúde, que chegavam a morrer por problemas como desidratação e desnutrição. O país tem um índice de mortalidade infantil alto e, entre os problemas mais comuns tratados pela equipe estão crianças com HIV, tuberculose e tétano.

Marina leva como lição das experiências que teve no exterior a dedicação e a alegria com que os enfermeiros locais enfrentam seus longos plantões, mesmo com poucos recursos e estrutura precária. Além disso, lembra com carinho dos sabores locais e das crianças que ajudou a tratar. “Me emociono muitas vezes quando lembro de cada criança que esteve ali. Lembro-me ainda do rostinho e da história dos muitos pacientes”, conta Marina, em depoimento no site da organização.

A enfermeira Marina Barardi durante missão na Guiné-Bissau. Foto Acervo Pessoal
A enfermeira Marina Barardi durante missão na Guiné-Bissau. Foto Acervo Pessoal

Hoje com 30 anos, Marina já passou também por um campo de refugiados em Bangladesh e em uma missão de vacinação no Sudão do Sul.

O Médicos Sem Fronteiras é uma organização internacional sem fins lucrativos que leva cuidados médicos a locais em situação de emergência, como áreas de conflitos, de extrema pobreza ou que estejam enfrentando epidemias. O trabalho dos profissionais de saúde é mantido por doações de pessoas físicas.

Para contribuir para a organização Médico Sem Fronteiras, visite o link: https://www.msf.org.br/doador-sem-fronteiras.

Leia também:

Médica muda vida de paciente com simples gentileza